6.12.09

Eu sabia!

Eu sabia que o fato de ter traído a Saraiva ia me dar problemas. Sabia que ia sofrer retaliação por parte da livraria. Ela é adepta do ditado "a vingança é um prato que se come frio".

Uma amiga minha ficou sabendo que fui na Saraiva na semana passada e brigou comigo por não tê-la convidado porque, segundo ela, eu tinha obrigação de saber que ela queria ir. Segundo ela, ainda, em algum momento, dentre as milhares de coisas que ela me fala todos os dias, tinha expressado o interesse de ir procurar o presente de amigo-secreto lá.

Que fique claro duas coisas: 1) eu não tenho bola de cristal; 2) ela realmente anda com um problema de achar que falou algo que não falou.

Mas eu resolvi voltar na Saraiva esse fim de semana, apenas para levá-la comprar o presente. Na verdade, queria também sondar como andava o humor da livraria comigo. Se eu chegasse e eles fechassem as portas, seria hora de desencanar e partir pra outra.

Um pouco abalada com uma notícia que minha amiga tinha me dado ao longo do caminho (e ela não tem noção que uma pessoa dirigindo em alta velocidade não pode ser surpreendida com uma notícia a queima roupa!), chegamos em Campinas.

Shopping lotado, mesmo público burguês de sempre, nos dirigimos à Saraiva.




Em menos de 5 minutos lá dentro eu vejo uma prateleira com pelo menos QUATRO obras do GABRIEL GARCIA MARQUEZ. Eu tenho certeza que, ao me ver entrando no Shopping alguém foi lá e montou a prateleira, só pra me sacanear. Fiquei p... da vida, mas resolvi não dar atenção.

Achar um atendente desocupado lá dentro é uma loteria, mas depois de alguns minutos conseguimos um que não nos ajudou em nada. Ótimo!

Procurei um livro que meu pai tinha me pedido e não tinha. Eu ainda acho que tinha e alguém escondeu e alterou o sistema de busca fazendo constar: "Disponível somente para encomenda".

Minha amiga finalmente decidiu o que o amigo-secreto dela vai ganhar e fomos para o caixa. Qual não foi a minha surpresa ao dar de cara com uma pirâmide construída com centenas de exemplares do livro "O amor em tempos de cólera", justamente o que eu comprei a semana passada na Livraria Cultura. Mas não para por aí, o livro estava, simplesmente, pela METADE do preço que eu paguei. Tive vontade de derrubar a pirâmide mas me contive, não iria demonstrar meu abalo, jamais!

Já no caixa, emprestei meu cartão fidelidade para minha amiga obter o desconto na compra dela e descubro que tenho um bônus/desconto de 15 reais. Sendo assim, "O amor em tempos de cólera" sairia pouco mais de 10 reais pra mim... Mas eu não iria aproveitar a pechincha, afinal, já tenho o livro, que me custou 52 reais na Cultura.

E a Saraiva está rindo até agora.

2 comentários:

Michelle disse...

Eu..gostaria de falar, que eu sou a amiga q ACHO q falo as coisas...só queria me defender dizendo q essa ía a Saraiva foi ilária e nos divertimos muito apesar dos pesares...kkkk, adoro vc amiga e faremos muitas e muitas idas engrassadimidas dessas em outros lugares, menos na Saraiva?! kkkk, bjs

Michael Levesque disse...

"You're Fucked Now" foi impagável!!!
Pior se o cara sentou e só viu depois heheheh